O mau tempo típico da Inglaterra foi o responsável pelo surgimento do tênis de mesa, um primo do tênis tradicional. Por volta de 1880, tenistas de um clube inglês improvisaram um jogo por causa da chuva. Em cima de uma mesa de sinuca, usaram um barbante como rede, livros como raquetes e uma bola de tênis. Era o rascunho de um novo esporte.

A brincadeira começou a ficar mais séria a partir de 1890, quando foi inventada a bola de celuloide, ideal para a prática da modalidade. O  tênis de mesa pode, então, dar passos decisivos rumo à modernização. Também colaborou para isso a chegada, em 1900, da modalidade à China, país que se tornaria a grande potência do esporte.

Brasileiro Hugo Hoyama em Londres 2012

Alaor Filho/COB

Hugo Hoyama é o maior mesa-tenista brasileiro, com seis Jogos Olímpicos disputados (1992-2012)

A fundação da ITTF (Federação Internacional de Tênis de Mesa, na sigla em inglês), em 1926, em Berlim, na Alemanha, teve papel decisivo na unificação de regras e também na criação do primeiro Campeonato Mundial da modalidade, realizado no mesmo ano. Nas primeiras edições, os europeus ainda tiveram supremacia, mas depois de 1955, ano em que pela última vez um não-asiático venceu o Mundial (a romena Angelica Rozeanu-Aldestein), o domínio do extremo oriente – particularmente dos chineses – passou a ser implacável.

No Brasil, os iniciantes da prática do esporte eram turistas ingleses, no início do século 20. Mas a data chave para o início do tênis de mesa no país é 1912, ano em que foi realizado o primeiro campeonato por equipes em São Paulo, vencido pelo Vitória Ideal Clube. O maior problema enfrentando neste período inicial era a falta de uniformidade em relação às regras do jogo. Dependendo do clube onde era praticado, a mesa tinha uma determinada dimensão, embora a contagem dos pontos fosse a mesma adotada na Inglaterra.

Egípcios e chineses se enfrentam na Copa do Mundo por equipes de 2015

ITTF World

Duplas de Egito (no alto, de vermelho) e China se enfrentam em Dubai, em 2015, pela Copa do Mundo

História olímpica

Embora tenha se popularizado a partir do início do século 20, a ponto de ter cerca de 40 milhões de praticantes em todo o mundo, o tênis de mesa demorou muito tempo para entrar no programa esportivo dos Jogos Olímpicos. Embora tenha sido reconhecido pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) em 1977, a estreia aconteceu apenas nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, com eventos para homens e mulheres. Para a edição de 2008, em Pequim, as disputas em dupla foram substituídas pela de equipes, que se somaram às chaves individuais.

Por tudo isso, houve atraso no desenvolvimento da modalidade no país até os anos 1940. Em 1942, graças a um movimento iniciado no Rio de Janeiro, um grupo de atletas cariocas e paulistas aprovou a tradução das regras internacionais determinadas pela ITTF, oficializando o tênis de mesa como modalidade esportiva pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos). Em 1947, o Brasil participou pela primeira vez do Campeonato Sul-Americano, e a partir de então começou a disputar as principais competições internacionais.

Chinesa Liu Gaoyang durante os Jogos Olímpicos da Juventude de Nanquim 2014

Ren Zhenglai/Xinhua

Atletas da China chegam a cada edição dos Jogos Olímpicos com status de praticamente invencíveis

A China é a grande potência olímpica da atualidade no tênis de mesa. Da estreia nos Jogos até Londres 2012, os atletas do país ficaram com 24 das 28 medalhas de ouro distribuídas na modalidade. A Suécia é o único país não-asiático a subir no alto do pódio olímpico – Jan-Ove Waldner venceu a chave de simples em Barcelona 1992.

As partidas de simples são disputadas em melhor de sete games – quem vence quatro deles ganha -, enquanto os eventos por equipes, com no máximo três participantes em cada time, têm quatro partidas de simples e uma de duplas, todas em melhor de cinco games. Quando um dos lados sai vencedor em três jogos, leva o confronto.

O sistema de disputa é eliminatório, com os vencedores de cada lado da chave disputando a medalha de ouro, e os perdedores das semifinais brigando pelo bronze. O posicionamento de cada participante nas chaves, seja na disputa individual ou por equipes, é definido pelo ranking mundial.

Cena de "Forrest Gump, o Contador de História" em que o protagonista joga pingue-pongue

Reprodução

Cena de "Forrest Gump, o Contador de História" (1994) que retrata a Diplomacia do Pingue-Pongue, evento que abrandou relações entre a China e os EUA nos anos 1970, durante a Guerra Fria. Embora parecidos, tênis de mesa e pingue-pongue não são a mesma coisa e não devem ser usados como sinônimos

Fonte: COI (Comitê Olímpico Internacional), COB (Comitê Olímpico do Brasil), Rio 2016, ITTF (Federação Internacional de Tênis de Mesa), CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) e “Almanaque Olímpico Sportv” (Armando Freitas e Marcelo Barreto, Casa da Palavra, 271 páginas)

Bikpek

search-sample