São eles que decidem os caminhos que o universo olímpico segue, incluindo, por exemplo, votações para escolha das sedes dos Jogos de inverno e verão. Engana-se, porém, quem acha que os membros do COI (Comitê Olímpico Internacional) são todos ex-atletas que disputaram os Jogos. Dos 128 integrantes, apenas 50 (39%) participaram do evento.

A canadense Hayley Wickenheiser, tetracampeã olímpica do hóquei sobre gelo

Arquivo/COI

A canadense Hayley Wickenheiser tem quatro ouros e uma prata olímpicos no hóquei sobre gelo

De acordo com texto publicado em seu site, o COI diz que elege seus membros entre pessoas que considera qualificadas para o exercício do cargo, mas sem especificar quais são as qualificações necessárias. Um levantamento realizado pela “Folha de S.Paulo”, por exemplo, mostrou que 14 membros pertencem à realeza de seus países, entre eles o grão-duque Jean de Luxemburgo, que reinou por quase quatro décadas e é o mais antigo integrante do comitê olímpico, eleito em 1946.

“Membros do COI representam e promovem os interesses do comitê e do movimento olímpico em seus países”, explica um pequeno texto publicado no site da entidade.

Entre os integrantes há ainda 14 membros de famílias reais, alguns sem ligação esportiva

Os dois brasileiros que fazem parte do COI são ex-atletas olímpicos e jogaram vôlei. Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil) competiu em Tóquio 1964 e Bernard Rajzman foi prata nos Jogos de Los Angeles 1984. Por ter mais de 70 anos, Nuzman é um dos 36 membros honorários, que não têm direito a voto.

Entre os 50 ex-olímpicos há alguns de enorme sucesso, casos do ex-nadador russo Alexander Popov e da canadense Hayley Wickenheiser, ex-jogadora de hóquei sobre gelo, com quatro medalhas de ouro cada um. O queniano Paul Tergat, prata duas vezes nos 10.000 m (Atlanta 1996 e Sydney 2000), faz parte do COI desde 2013. No Brasil, ficou conhecido por ter vencido a São Silvestre cinco vezes (1995, 1996, 1998, 1999, 2000).

Thomas Bach, presidente do COI, em Montreal 1976, quando ainda era esgrimista

Arquivo/COI

O alemão e ex-esgrimista Thomas Bach (de óculos), presidente do COI, foi campeão em Montreal 1976

Thomas Bach, que é presidente do COI desde setembro de 2013, é um dos 50 ex-atletas olímpicos que integram a entidade. Ex-esgrimista, foi medalhista de ouro no florete por equipes em Montreal 1976, defendendo a Alemanha Ocidental. Sua carreira incluiu ainda dois títulos mundiais, também por equipes, em 1976 e 1977.

Os dois membros mais recentes do COI são Auvita Rapilla, educadora especializada em esportes e artes nascida em Papua-Nova Guiné, e Karl Stoss, administrador que preside do Comitê Olímpico Austríaco desde 2009. Ambos foram eleitos em 2016.

Rodrigo Borges

Rodrigo Borges

Editor

Jornalista desde 1997, com passagens por Lance!, Destak e ESPN. Mora desde 2015 em Londres, onde trabalha como freelancer para diversas publicações brasileiras, função que já exerceu também em Nova York. É um dos cofundadores do Bikpek.

search-sample