Hendrawan, da Indonésia, prata no bandminton

Arquivo/COI

O indonésio Hendrawan (sim, o nome todo dele é este!) levou a medalha de prata em simples do badminton em Sydney 2000

Qualquer um que já tenha tentado acompanhar uma partida de badminton sabe o quanto a tarefa é difícil. E o principal responsável pela missão extremamente complexa é um pequeno objeto que pesa entre 4,74 e 5,50 gramas e uma altura que não chega a 10 cm. A peteca, que pode ser considerada a “bola” do badminton, desafia os atletas alcançando velocidades impressionantes nos golpes, que podem superar os 400 km/h, além de carregar um charme todo particular.

Para início de conversa, saiba que existem dois tipos de peteca utilizadas no badminton. As que são usadas por jogadores profissionais têm penas de ganso na parte superior, ligadas a uma base esférica feita de cortiça ou poliuretano. E são usadas somente 16 penas de ganso em cada peteca, e ainda mais inusitado, todas são retiradas somente da asa esquerda do animal.

Durante uma partida de badminton, a peteca pode chegar a uma velocidade de até 400 km/h

O motivo é que os gansos costumam dormir sempre sobre a asa direita e isso acaba tirando o formato retilíneo da pena, tornando-as impróprias para o uso na peteca. Este tipo tem uma vida útil muito curta, durando apenas algumas disputas de pontos, pois as penas não suportam os golpes dos jogadores por muito tempo. No Brasil, uma caixa com 12 petecas não custa menos do que R$ 250.

Chris-Walker/Creative Commons

A peteca profissional de badminton contém 16 penas retiradas apenas da asa esquerda do ganso

O outro tipo de peteca utilizada no badminton é feita de nylon, com uma espécie de “saia” deste material, saindo da base até o alto. Estas petecas sintéticas são normalmente usadas por jogadores iniciantes, amadores e para treinamento. Possuem um preço mais acessível (cerca de R$ 38 em média), além de durarem bem mais.

A nomenclatura da peteca também varia conforme o país onde o esporte é praticado. Ela também é chamada de pluma, volante, shuttlecock e bird.

A velocidade alcançada pela peteca tem a ver com a pressão atmosférica e a temperatura do local onde a partida está sendo praticada. Em um ambiente de calor, a velocidade da peteca é maior, enquanto que no inverno, ela fica mais lenta. Além disso, em cidades com altitude elevada deve-se usar uma peteca com velocidade mais lenta.

Confira no vídeo abaixo imagens das partidas que decidiram as chaves masculina e feminina do Bonny China Masters, válida pelo Grand Prix Gold, e sinta o drama de conseguir acompanhar a velocidade da peteca em uma partida de badminton.

Marcelo Laguna

Marcelo Laguna

Editor

Marcelo Laguna é jornalista especializado em esportes e cobre Olimpíadas desde 1984 - foi como enviado especial em Atlanta 1996, Sydney 2000, Londres 2012 e Rio 2016. É um dos cofundadores do Bikpek e crê que um dia o Brasil deixará de ter uma monocultura esportiva.

search-sample